3 ALTERNATIVAS PARA GERAR RENDA – EMPREENDIMENTOS NA CRISE ECONÔMICA

Tempo de leitura: 8 minutos

Principal empreendimentos na criseA grave crise que assolou a economia brasileira nos últimos anos e consequente diminuição dos postos de trabalho no mercado formal assalariado, está levando muitos brasileiros a buscarem formas alternativas de geração de renda. São empreendimentos na crise econômica a saída por eles encontrada.

Por mais penosos que pareçam a princípio, momentos de crise são também grandes oportunidades de mudança, de abrir a cabeça para novas possibilidades que podem revelar talentos inexplorados e trazer mais realização pessoal e profissional.

Por isso, se está desempregado(a), pense se não chegou o seu momento de tentar algo novo, de alçar novos horizontes. Há formas de trabalho com as quais você pode se identificar e lucrar. Mas, antes de se aventurar, é bom analisar os diferentes tipos de negócio e quanto você pode gastar e ganhar com eles.

A seguir elenco 3 diferentes fontes alternativas para gerar renda em tempos de crise:

MOTORISTA DO UBER

Empreendimentos Uber na criseSe você gosta de dirigir, não se estressa no trânsito e possui um veículo lançado a partir de 2008, pode pensar em se cadastrar como motorista do Uber. Esse é um dos modelos de empreendimento no qual os brasileiros estão apostando durante a crise econômica.

Há duas categorias de carros Uber: a categoria X, que cobra 25% do total da corrida, paga em cartão de crédito ao aplicativo, e a categoria Black, com uma cobrança menor, de 20%. A categoria X exige veículos de 2008 em diante, com ar condicionado, quatro portas e cinco lugares. Já a categoria Black exige veículos a partir de 2010, obrigatoriamente sedans ou SUV, lançados a partir de 2010, com ar condicionado e bancos de couro.

O Uber recomenda aos motoristas da categoria X que trabalhem vestidos com calça e camisa social, e, aos motoristas da categoria Black, que usem terno e gravata. Periodicamente, o aplicativo contabiliza as notas dadas aos motoristas pelos usuários (de zero a cinco), podendo inclusive descredenciar aqueles que tiverem média inferior a 4,6 pontos.

Além disso, os carros do Uber precisam ser cadastrados com a apresentação de Certidão de Registro e Licenciamento do Veículo, Bilhete de DPVAT do ano corrente e apólice de seguro com cobertura de Acidentes Pessoais a Passageiros a partir de R$ 50 mil por passageiro.

Os motoristas do Uber precisam ter carteira de motorista com licença para exercer atividade remunerada e arcam com o custo total do carro, ou seja, não têm nenhuma isenção na compra do veículo ao contrário dos taxistas, que têm abatimentos de ICMS (as alíquotas variam) e um bom desconto em concessionárias. Por outro lado, no que se refere a impostos, a legislação é mais branda atualmente para o Uber: não há necessidade de licenças, nem taxas para órgãos públicos.

O número de usuários do Uber no Brasil já ultrapassa um milhão, mas, apesar da demanda crescente, devido ao aumento no número de carros, a rotina dos motoristas vem se mostrando mais dura do que nos tempos do lançamento do aplicativo. Atualmente, o tempo de chamada para uma corrida, que antes era de 15 minutos, gira em torno de uma hora ou mais.

Os ganhos dependem muito do esforço e horas de trabalho dos motoristas, que hoje faturam bem menos do que há um ano atrás, quando existiam menos carros Uber. Trabalhando dez horas por dia, de segunda a sábado, dá para se ter um rendimento líquido entre R$ 2 mil a R$ 3 mil.

Logo, é possível perceber que esse talvez não seja a opção mais rentável para a crise econômica que enfrentamos. Porém para quem gosta de carros, gosta de dirigir e também gosta de lidar com o público em geral, pode ser a melhor escolha entre os empreendimentos na crise econômica.

Para mais detalhes sobre como se tornar um motorista do Uber, acesse: www.uber.com

EMPREENDEDOR(A) DE FRANQUIAS

Empreendimento franquias na criseSe você foi demitido(a) após trabalhar por muitos anos para a mesma empresa, tendo recebido uma boa rescisão e acumulado um bom fundo de garantia, ou, ainda melhor, veio acumulando uma reserva financeira razoável, uma alternativa de empreendimentos na crise econômica a ser analisada é a abertura de uma franquia, ou seja, ter sua própria loja ou quiosque de produtos ou serviços de uma marca já estabelecida.

Hoje há reconhecidas organizações atuantes no setor, como a Associação Brasileira de Franchising, que disponibilizam informações sobre o mercado nacional e internacional de franquias nos mais variados segmentos, como alimentação, moda, saúde, lazer e educação, só para citar alguns.

Dependendo do setor e da marca, o investimento inicial pode variar de R$ 25 mil a R$ 750 mil, entre taxa de franquia e infraestrutura. Além do investimento inicial, é necessário considerar custos mensais, como royalties e taxa de propaganda cobrados pelas marcas, recursos humanos, logística e, no caso da sede não ser própria, aluguel e condomínio. Muitas empresas já possuem departamentos especialmente dedicados a suprir potenciais franquiados com projeções de faturamento e retorno do investimento, de acordo com a localização e tipo de franquia.

Mas, antes de estudar mais sobre o assunto, reflita se você reúne as características esperadas de um empreendedor de franquias: identificação com a atividade de varejo; perfil de liderança para estar à frente de um negócio; boa organização e habilidades de gestão; disponibilidade de tempo para acompanhar a implantação e desenvolvimento do negócio, e disposição para fazer um pouco de tudo, principalmente nos meses iniciais. É muito, muito trabalho!

Também deve ser levada em consideração a alta incidência de falências que tem assolado o Brasil nesses tempos de crise. E as que mais sofrem com isso, por falta de fôlego financeiro, são as pequenas empresas.

Por demandar tanto envolvimento e dedicação, investimento financeiro significativo e por existirem riscos nesse tipo de negócio, muitos brasileiros não escolhem essa entre as opções de empreendimentos na crise econômica.

Para saber mais sobre o mercado e franquias disponíveis, acesse: http://www.portaldofranchising.com.br/

MARKETING DIGITAL – FACEBOOK ADS PARA AFILIADOSEmpreendimentos na crise economica - Marketing Digital

O Marketing Digital é um mercado já bastante explorado e lucrativo nos EUA, com mais de 20 anos de existência.

No Brasil, o Marketing Digital voltado para afiliados começou a tomar corpo no ano de 2013, quando passou do amadorismo dos curiosos, para profissionais realmente dedicados a estudar e se aprofundar nas melhores técnicas para obter resultados realmente expressivos.

Existem diversas vantagens de se trabalhar com esse mercado. Entre eles:

  • O profissional trabalha em um negócio próprio
  • Depende apenas de um computador e de acesso à internet
  • Não tem restrições de horário, pode trabalhar a hora que melhor convir
  • Pode trabalhar de casa, fugindo do stress do trânsito e transportes públicos
  • O investimento inicial é muito baixo

Vamos tentar definir agora o que é um afiliado e no que consiste seu trabalho.

Afiliado pode ser definido como um vendedor. Outros podem defini-lo como um anunciante. E na verdade, muitos afiliados amadores podem se resumir a isso mesmo, vendedores ou anunciantes.

Eu gosto de dizer que um afiliado profissional é especialista na resolução dos problemas das pessoas. O trabalho do afiliado consiste em definir seu público, descobrir suas dificuldades e desejos e encontrar os produtos que podem ajudar esse público a superar essas dificuldades ou realizar seus desejos.

Um dos canais mais utilizados para encontrar o público especificado e promover os produtos de forma direcionada (quase sempre certeira, se utilizadas as melhores técnicas) é o Facebook Ads, ferramenta para anunciantes disponibilizada pelo Facebook.

Mas para que o profissional consiga iniciar seu negócio sem perder muito tempo e dinheiro tentando descobrir sozinho os melhores métodos e técnicas para conseguir atingir suas metas e ter resultados, sugerimos a inscrição em um curso online que ensine métodos que realmente funcionam.

Existem algumas boas opções de cursos disponíveis, tendo eu mesmo realizado boa parte deles.

Vou sugerir ao leitor o melhor curso que fiz, que realmente me ensinou tudo o que precisei para conseguir obter bons resultados anunciando infoprodutos pelo Face Ads.

Nesse curso, você aprenderá:

  • Como escolher bons produtos para promover
  • Como criar uma estrutura profissional para anunciantes no Facebook
  • Detalhes de um método passo a passo com um afiliado TOP no mercado de Face Ads
  • Como criar uma estrutura própria para melhor coleta de métricas
  • Análise de métricas e resultados para tomada de decisão do próximo passo

Além de alguns bônus especiais, entre eles destaco um mini curso de redação de textos para anúncios (também conhecido como Copywriter) e um grupo secreto no Facebook onde você poderá interagir com a equipe técnica do curso e com os outros alunos.

Resumindo, se trata de uma oportunidade de empreendimento na crise financeira, com baixo investimento e, com dedicação, boas possibilidades de retorno, mesmo em curto prazo.

Para saber mais sobre o curso de Facebook Ads Para Afiliados, acesse: http://pelter.com.br/face-ads-adv

Para saber mais sobre os termos técnicos do Marketing Digital, disponibilizamos para todos que assinam nossa lista V.I.P., um eBook onde compilamos os termos mais usados e as informações básicas desse mercado.